nem a maldade do tempo consegue me afastar de você

tumblr_m6jofihZRE1qmruxio1_500

Segue a vibe cmg:

https://www.youtube.com/watch?v=1Ngn3fZIK2E

Quando te conheci você foi tudo…

No segundo em que teu olhos focaram os meus era como se uma luz em mim piscasse, informando que nosso oi não seria somente um “oi”, você foi amor já na segunda conversa, eu sabia que estávamos conectados de alguma forma. Na segunda semana depois do “oi”, você disse que me amava, achei louco, precipitado, mas o mais insano de tudo era que eu já te amava também.

Eu era sua, de corpo e alma, meu coração já não batia por mim (extremamente clichê, mas era assim que eu me sentia, uma sombra, um espaço vazio sem você). Nosso tempo junto, foi uma montanha russa de sentimentos, de experiências, de aprendizado. Felicidade era ver o teu sorriso, ouvir a tua voz. Segurança, era o calor dos teu braços me protegendo das dores do mundo. Te amei de um jeito que nunca achei que fosse possível fora das telas de cinema. Tuas dores eram as minhas, tuas conquistas e sorrisos eram meus também. Como se realmente fôssemos um só.

Mas como todas as frases dessa vida, nós tivemos nosso ponto final. Apesar de que pra mim naquele momento,  mais pareceu uma virgula, já que você tava lá comigo, todos os dias, no deitar e no levantar. Como um fantasma, você assombrava minha mente, meu sorriso sempre tinha a sombra do teu, vivia como se a qualquer momento você fosse entrar pela porta, e dizer, “pronto, cansei da brincadeira, vem cá!”.

Claro que isso nunca aconteceu, e eu vivia no meu vazio particular, na eterna contradição entre viver a tua espera, ou encarar a realidade de que você não viria, pegar minha bagagem e sair viver a vida que passava como foguete diante de mim. Depois de muita discussão interna, medo e covardia, eu bati na tua porta:

-“Ei, eu to aqui, ali fora ficou meu orgulho, estou sozinha diante de ti, somente eu e toda coragem que consegui carregar”.

Você pegou minhas esperanças, ninou por um tempo, acreditei que nosso para sempre seria diferente do que afirmava a velha Cassia. PORÉM, você me deixou cair. Cair de uma altura que devido a queda ainda não sei dizer de quantos metros era. Virou as costas e eu fiquei te olhando, do chão. Você não era o mesmo cara do “oi”, apesar da mesma aparência, não era ele. Quem me deixava ali era alguém diferente, vazio, grande no ego, pequeno no coração.

Medo, foi o que senti, medo do mundo, das pessoas. Medo, por achar que poderia ser responsável pela tua metamorfose…

Ainda acho que sempre que escutar teu nome, vou lembrar do teu sorriso. Ainda acho, que você sempre vai ser você pra mim. VOCÊ, meu pequeno grande amor, porque mesmo apesar da dor e do luto de saber, que nosso ponto final, finalmente chegou, eu sei, que existem amores, reintegro, amores, que nunca morrem! E o nosso, o nosso pequeno infinito, os nossos momentos, esses vão ficar pra sempre, sempre na memoria e no coração.

Mas enfim, quero que você seja feliz, que você se encontre de novo, que tua bondade te consuma como era de costume, que teus sonhos gigantes tenham forças pra te carregar, que o brilho dos teus olhos volte a carregar a pureza dos teus sentimentos, enfim que a beleza da tua alma, se sobressaia as maldades do mundo. Eu te amo, mas isso aqui é nosso adeus, nossa despedida, nossas palavras não ditas, nosso ponto.